segunda-feira, setembro 25, 2017

Primeira parte à antiga!

À antiga, quando o Belenenses entrava em qualquer campo e assumia as despesas do jogo em busca da vitória!

Domingos Paciência surpreendeu tudo e todos e num dos campos mais difíceis da primeira Liga, encostou o Feirense às cordas remetendo-o para o seu meio campo sem apelo nem agravo! Foram três golos e até podiam ter sido mais! E estou a lembrar-me daquele cabeceamento de Caeiro ao qual o guarda-redes da casa respondeu com uma defesa impossível! Voltando ao princípio, não é fácil surpreender Nuno Manta um dos mais esperançosos treinadores da nova vaga, e é muito difícil interromper aquela correria permanente dos jogadores treinados por ele! Mas a verdade é que o Belenenses interrompeu e mandou em absoluto no terreno durante quarenta e cinco minutos! Uma defesa intransponível onde está encontrada a dupla de centrais – Gonçalo Silva e Nuno Tomás – um meio campo musculado e com a lição bem estudada – Saré, Tandjigora, Yebda (desta vez sem fantasias!) e Sousa – e um ataque com dois pontas de lança que prendiam muita gente do Feirense lá atrás! Gente que cometia faltas que se revelaram fatais. E chegamos também a uma conclusão eterna no futebol – a sorte do jogo existe, é factor importante, mas há que merecê-la! E o Belenenses mereceu.

A segunda parte teria que ser diferente, pois a ganhar por três bolas a zero a nossa equipa recuou um pouco e ao recuar a mais valia de Caeiro foi-se perdendo, abriram-se espaços e os homens da Feira carregaram. Foi a vez de mostrarmos solidez defensiva! Mas ainda houve um ligeiro estremeção quando na sequência de um canto o Feirense reduziu. Porém aquele era o dia do Belenenses e logo a seguir Benny faz o quarto golo. A discussão do resultado acabou aí.

Ora bem, hoje é muito difícil emitir opinião desfavorável sobre as opções de Domingos. Mas ainda assim eu teria feito as substituições pelo livro, ou seja, teria tirado Caeiro fazendo entrar um ponta de lança fresco e com velocidade. Seria a oportunidade para Jesus Hernandez mostrar o que vale. E Benny teria entrado naturalmente para render um Sousa esgotado. Mas ainda bem que não sou eu o treinador.


Saudações azuis

sábado, setembro 23, 2017

Aniversário!

Sem emoção e sem festa, quase despercebido, o Belenenses faz hoje noventa e oito anos! Perto do centenário, aquilo que deveria ser motivo de orgulho e força para continuar, desfalece à vista de um clube dividido, onde proliferam grupos e grupinhos que somados não chegam para compor uma bancada em dia de futebol!

Uma única reflexão, uma única pergunta, resume o presente que podemos dar ao futuro do Clube de Futebol “Os Belenenses”: - era este o clube sonhado pelos fundadores naquele longínquo 23 de Setembro de 1919?!


Saudações azuis

sexta-feira, setembro 22, 2017

Um discurso de palha!

Veio agora Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, apelar à pacificação do futebol português, em nome do bom nome, em nome da indústria, e a gente fica a pensar onde terá andado este senhor nestas últimas épocas. Ah, já sabemos, andou a tratar da selecção porque o trabalho de casa ficou sempre por fazer.

Fala do ‘bom nome’ do nosso futebol, um pântano de emails comprometedores, mas nem uma palavra sobre o assunto!

Fala da indústria mas nada fez para diminuir o fosso entre os três gigantones e os restantes competidores! Antes pelo contrário, tem sido feito de tudo para catapultar os gigantones para a Europa deixando os outros aqui a vegetar! É uma questão de opção. Daí não haver resposta para a seguintes perguntas:
Onde está a centralização dos direitos televisivos para uma melhor distribuição do respectivo bolo?! Onde está a limitação ao número de jogadores que são propriedade de cada clube?! É que qualquer dia os jogadores, embora emprestados, têm o mesmo dono!

Fala da violência dos adeptos como se fosse novidade! Não fala das claques legalizadas e daquelas que não são!

Fala da honorabilidade dos árbitros mas não explica porque foram intimados a fecharem as respectivas contas nas redes sociais! Qual a razão desta súbita medida?!

Não fala do vídeo árbitro porque bem sabe que se tratou de uma medida prematura, que para ter algum sucesso exigiria duas condições prévias: - em primeiro lugar uma limpeza e reorganização do sector arbitragem; em segundo lugar que a realização televisiva estivesse a cargo de uma única entidade e não de duas como agora sucede. Sem estes dois requisitos o vídeo árbitro é mais um instrumento ao serviço de interesses ocultos.

Fala da forma mas nunca fala da substância. Quer acabar com o clima de altercação e ódio entre clubes como se isso fosse independente das suspeitas que existem sobre a veracidade dos emails já divulgados! A verdade desportiva não aparece no seu discurso! A corrupção é sempre lateral e o exemplo que dá é sintomático - tem a ver com as apostas ilegais em jogos de divisões secundárias! A primeira Liga nunca é referenciada!

Quem gostou deste discurso foi o governo, que veio logo apoiar, governo que nunca teve a coragem de impor, em nome da equidade e à semelhança do seu congénere espanhol, a centralização dos direitos televisivos!

Quem também deve ter gostado deste discurso foi a própria corrupção! O seu maior desejo é calar as denúncias para continuar a corromper pela calada.



Saudações desportivas

quarta-feira, setembro 20, 2017

Uma vitória importante!

Se estivéssemos no ténis diria que Domingos Paciência salvou o primeiro ponto de break ao vencer em casa o Estoril por duas bolas a uma. Para isso acontecer teve que socorrer-se da prata da casa o que vem provar que é sempre bom mantermos as joias de família! Com efeito Tiago Caeiro é hoje um dos melhores a actuar naquela posição e tivesse menos uns anos e já estaria a jogar num clube estrangeiro. Pode jogar o jogo todo?! Não. Pode andar a correr de um lado para o outro a pressionar a saída de bola do adversário?! Claro que não. Mas pode em determinados jogos, e se for bem servido, marcar golos com os pés e com a cabeça.

Benny é outro dos jogadores que mudou o jogo com a sua entrada. Formado no Belenenses tem que ser uma aposta permanente, mas não é para vender, é para sustentar o meio campo azul. É rápido, raçudo, joga para a equipa, assume uma certa verticalidade, e só tem que melhorar no remate. E ter cuidado com as entradas.
O resto foi defender bem, sem falhas ou parvoíces, com uma defesa práticamente nova em relação á época passada. Uma defesa, ou sistema defensivo, em evolução.

Por fim uma última nota sobre o VAR! Parece que à sexta jornada o Var desapareceu! Sumiu-se! Estranho para quem foi tão interventivo nas primeira jornadas e quando se tratou de salvaguardar, acautelar, vigiar determinados interesses em jogo. Tive que escrever assim para todos perceberem. Por exemplo, o VAR não veio atrás, não rebobinou a jogada que deu o golo do Benfica no Bessa! Jogada em que Luizão agarra um jogador do Boavista! O que passou-se?!



Saudações azuis

sexta-feira, setembro 15, 2017

Domingos e os dias difíceis!

A derrota na Vila das Aves deixou algumas marcas mas deixou sobretudo a sensação de que a época passada pode repetir-se! Ora isso é péssimo. É péssimo em primeiro lugar para o Belenenses que continua a marcar passo, é péssimo para a SAD que não consegue cumprir aquilo que prometeu, ou seja, uma equipa consistente, e cada vez mais competitiva, e é péssimo para os adeptos que sofrem nas bancadas ou em frente à televisão. É verdade que estamos no início mas esse discurso já não serve. E Domingos começa a ficar pressionado pelos resultados. Na verdade o próximo jogo com o Estoril, e a disputar no Restelo, já vai ser um ‘Deus nos acuda’ e qualquer outro resultado que não seja a vitória será muito difícil de digerir.

O ataque, a falta de golos, é pecha antiga, vem da época passada e não se vê grande solução para ela! Certo, certo, é que os novos contratados ainda não apontaram qualquer golo! No que diz respeito aos que cá estavam, Maurides não marca, Andric foi-se embora, segundo consta Caeiro era para ir, e espera-se agora que os recuperados Juanto e Miguel Rosa resolvam o problema! Até pode acontecer mas não deixa de ser esquisito que isso aconteça! Recorde-se que, ao que parece, também estiveram para se ir embora.

E ainda temos os médios que também não ‘marcam’ ou esquecem-se de ‘marcar’ quem deviam marcar! Esta é uma indirecta para o Yebda que se esqueceu de recuperar a tempo de impedir Gauld de rematar à vontade. Depois de perder a bola na transição.

Resumindo e concluindo vamos concentrar-nos no jogo com o Estoril, vamos jogar para ganhar, tomando atenção às entradas de sola e aos cotovelos que os árbitros e os vídeo árbitros a nós não nos poupam nada.


Saudações azuis

quinta-feira, setembro 14, 2017

Liga Ibérica!

Dizem os alquimistas que o que está em cima é igual ao que está em baixo e uma das interpretações possíveis da frase pode ser esta: - falar do futebol português é o mesmo que falar da nossa política. Eu sei que muita gente torce o nariz ao futebol, e aos seus frequentadores, mas meter a cabeça na areia não resolve nada.

Ora bem, foi agora a vez de Proença, presidente da liga portuguesa de futebol, anunciar com pompa e circunstãncia que o campeonato ibérico é uma realidade cada vez mais próxima!
Se juntarmos esta notícia a outra que dá conta da eleição de um alto dirigente do Benfica para a ECA* (associação dos grandes clubes da Europa em prol de um campeonato europeu) ficamos com a ideia de três coisas ao mesmo tempo:

Em primeiro lugar que estamos dispostos a tudo para emigrarmos para qualquer campeonato que não seja o nosso! Em segundo lugar que entrámos na fase delirante dos fidalgos falidos! Em terceiro lugar fica agora claro que quer a Liga quer a Federação pouco lhes interessa o campeonato doméstico ou as suas escandalosas desigualdades. Eles estão noutra!

Haveria uma quarta conclusão a tirar e essa prende-se com a ignorância e a estupidez de quem nos dirige! Era evidente que a união europeia seria para nós, mais tarde ou mais cedo, uma mera união ibérica, cenário que já vivemos no período filipino. Pensar agora que sem rei nem roque podemos integrar (ou liderar!) qualquer organização supra nacional sem pormos em causa a nossa própria independência e identidade, só os idiotas é que podem pensar assim! Os idiotas e os traidores, obviamente.

Saudações azuis


*O portista Fernando Gomes, actual presidente da Federação, também já foi dirigente da ECA.

terça-feira, setembro 12, 2017

Fatalismo, vídeo árbitro, mas os números não mentem!

Comecemos pelo fatalismo, pela frustração acumulada que ano após ano vai adiando o ressurgimento do Belenenses. Há uma sensação perdedora que se intercomunica e as bolas em vez de entrarem batem no poste!

Há também o vídeo árbitro que já percebemos que não simpatiza com o Belenenses! Em duas situações que mereceriam, penso eu, uma reavaliação, o árbitro não teve dúvidas e o vídeo árbitro também não. Em contraste com o que se tem observado quando estão em causa outros emblemas. Com efeito, o golo anulado ao Maurides merecia uma linha virtual que comparasse a posição do defesa avense que tenta impedir o cruzamento com a posição do avançado azul. E a possível falta sobre Maurides ao minuto noventa, também merecia que o árbitro fosse (alertado) para rever o lance. Há aliás jornalistas que admitem ter havido grande penalidade. Mas não foi. E mais uma vez o silêncio! Está na altura de o quebrar com um pequeno comunicado (a emitir pela SAD) sobre as ‘certezas’ do vídeo árbitro e as dúvidas do Belenenses!

Mas os números não mentem! E nem vou falar dos nove golos sofridos em cinco jogos, admitindo que estarão inflacionados pelos 5-0 da Luz. Vou concentrar-me apenas nos três golos que marcámos nesses mesmos cinco jogos! Dois marcados por Nuno Tomás, um central, e o outro, um autogolo do Paciência filho! Tudo em lances de bola parada o que ainda penaliza mais os avançados. Neste sentido somos o pior ataque da Liga! E como não somos a melhor defesa… as nuvens começam a adensar-se no Restelo. Nós já tínhamos este problema na época passada e por isso esperava-se a vinda de alguém com golo, como agora se diz. Eu sei que os homens que marcam golos estão muito valorizados e percebe-se pois convém não esquecer que as vitórias valem três pontos e para ganhar é preciso marcar. Parece o senhor de La Palice, mas não é.


Saudações azuis